O que temos a aprender com a Mulher Maravilha – Parte 1

Sucesso nas telas, a personagem Mulher Maravilha tem muitas lições a nos ensinar. A primeira delas, mais relacionada à Psicologia Positiva, são as posturas de poder. Já reparou como os super-heróis estão sempre em posturas assertivas, demonstrando segurança e controle da situação?

Nós também podemos assumir tais posturas em nossa vida cotidiana, principalmente quando não estamos nos sentindo seguros. Amy Cuddy, psicóloga social americana, dedicou muitos anos ao estudo das posturas de poder ou de fraqueza e como elas influenciam a nossa autoestima e assertividade.

O que ela descobriu? Quando exercitamos posturas de poder ao longo do dia (são necessários pelo menos 2 minutos na postura para que o nosso cérebro aumente a produção de testosterona e reduza a produção de cortisol), começamos a acreditar que somos capazes de enfrentar os desafios do dia a dia e, ao acreditarmos em nós mesmos, obtemos um melhor desempenho. Ao obtermos um melhor desempenho, somos reforçados a respeito de nossa capacidade e assim vamos aos poucos fortalecendo a nossa autoestima, em um círculo virtuoso.

Mas precisamos ter cuidado no uso das posturas quando não estamos em um local reservado. Da mesma forma que transmitimos uma mensagem de poder ao nosso cérebro, repassamos a mesma mensagem àqueles que estão à nossa volta. Em uma entrevista de emprego, por exemplo, ao assumirmos uma postura demasiadamente impositiva, os entrevistadores podem se sentir confrontados. Em uma situação como esta, a postura pode ser adotada na sala de espera ou até em um banheiro próximo.

A lógica da postura de poder é a ocupação de espaço: pernas e braços abertos, queixo para cima, ombros para trás, pernas abertas ou sobre a mesa. Isto também se refere à forma como utilizamos nossa voz: fala em um ritmo calmo, em tom de voz adequado, permitindo-se instantes de silêncio, ou seja, ocupando o espaço interpessoal necessário à boa comunicação.

Se você tem dificuldades relacionadas à assertividade e à autoestima, reserve dois minutos do seu dia para se sentir poderoso. Pare em frente ao espelho e assuma a postura da mulher maravilha ou do super homem. Permita que o seu corpo e, consequentemente seu cérebro, se sinta forte e capaz.

Assista aqui ao vídeo do TED onde Amy Cuddy apresenta de forma resumida o resultado de suas pesquisas.

Vania Moraes, psicóloga e life coach

Sugestão de leitura: O Poder da Presença, Amy Cuddy (Ed. Sextante)

Uma resposta para “O que temos a aprender com a Mulher Maravilha – Parte 1”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s