Resoluções de ano novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo 
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, 
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido 
(mal vivido talvez ou sem sentido) 
para você ganhar um ano 
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, 
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; 
novo 
até no coração das coisas menos percebidas 
(a começar pelo seu interior) 
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, 
mas com ele se come, se passeia, 
se ama, se compreende, se trabalha, 
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, 
não precisa expedir nem receber mensagens 
(planta recebe mensagens? 
passa telegramas?) 

Não precisa 
fazer lista de boas intenções 
para arquivá-las na gaveta. 
Não precisa chorar arrependido 
pelas besteiras consumadas 
nem parvamente acreditar 
que por decreto de esperança 
a partir de janeiro as coisas mudem 
e seja tudo claridade, recompensa, 
justiça entre os homens e as nações, 
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, 
direitos respeitados, começando 
pelo direito augusto de viver. 

Para ganhar um Ano Novo 
que mereça este nome, 
você, meu caro, tem de merecê-lo, 
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, 
mas tente, experimente, consciente. 
É dentro de você que o Ano Novo 
cochila e espera desde sempre.

Receita de Ano Novo, Carlos Drummond de Andrade , Editora Record. 2008.

Quando se aproxima a virada de um ano, geralmente nos propomos ‘Resoluções de Ano Novo”. Mas da mesma forma como propõe o poeta, tudo que se propõe novo começa em nós. E é justamente por isso que nossas resoluções muitas vezes não atingem o mês de fevereiro, pois ficamos na expectativa de que os outros mudem ou que as coisas mudem, quando na verdade nós que somos responsáveis pelas mudanças que queremos em nossas vidas. Como não nos comprometemos com nós mesmos, seguimos, ao longo do ano, fazendo as resoluções de segunda-feira, as resoluções da próxima semana, do mês seguinte, sempre adiando para o futuro o alcance de objetivos que são importantes para nós.

A proposta deste texto é, então, auxiliá-lo para que seus Resoluções se transformem em Conquistas de Ano Novo, a serem comemoradas em dezembro de 2019, ou muito antes disso, de acordo com o seu empenho e comprometimento.

A primeira questão é refletir: minhas resoluções são decisões de fato ou apenas listas de desejos? Estou verdadeiramente comprometido com aquilo a que me proponho? Quando decidimos de fato fazer algo, não há nada que nos detenha. Enfrentamos os contratempos, os desânimos, o cansaço e seguimos firmes em nossos objetivos. O problema é que essa postura é muito mais uma exceção do que a regra do nosso comportamento. Desejamos mudar uma série de hábitos, mas raramente decidimos de fato mudá-los.

A segunda questão é: o que de verdade eu quero mudar? Será que eu realmente quero parar de comer besteiras ou eu estou me enganando? Quando eu digo que irei economizar no próximo ano eu estou de fato querendo guardar dinheiro e abrir mão de consumir várias coisas ou eu vou guardar dinheiro se der e como der? Eu realmente quero mudar? O que eu ganho mantendo o meu comportamento atual? Com certeza um monte de coisas. Se você quiser mesmo mudar comportamentos é importante observar quais são os ganhos indiretos que você obtém ao mantê-los e avaliar se você está disposto a abrir mão deles.

A terceira questão é que tendemos a fazer uma nossa lista de Resoluções que se parece mais com uma lista de supermercado. Ou seja, uma lista muita grande, às vezes sem muita reflexão prévia e que, por isso, não tem foco e cansa só de olhar. Ao ver uma lista enorme de mudanças a serem feitas o seu cérebro vai jogar contra você. Afinal, nosso cérebro funciona pela lei do menor esforço, da economia de energia, pois além das suas vontades de emagrecer ou de economizar, ele precisa administrar o sistema digestivo, o circulatório, linfático…toda uma série de relações sinápticas complexas e que te mantém vivo e saudável. Diante da sua lista, seu cérebro pensará: “ok, na segunda semana de janeiro ele já vai ter desistido disso e tudo volta ao normal“. Assim, a lista de supermercado de desejos possui dois problemas principais: ela é desmotivadora e nada convincente.

Para lidar então com essas questões, há algumas estratégias a serem seguidas:

  1. Priorize o que é de fato importante e foque nisso. Faça uma lista de tudo o que você gostaria de mudar no ano que vem. Agora veja se existe algum aspecto dessa lista que, se efetivamente modificado, irá proporcionar ganhos em outros aspectos da lista. Por exemplo, uma de suas metas pode ser praticar exercícios físicos. Ao decidir fazer um esporte e se comprometer com isso, outros benefícios podem ser conquistados como consequência: aumento da disposição, emagrecimento, aumento da autoestima, melhoria dos relacionamentos (ao se sentir mais disposto, você dedica mais energia às suas relações ou se abre a novos relacionamentos), entre diversos outros.
  2. Estabeleça objetivos que sejam claros e desafiadores e que lhe permitam utilizar as suas forças, talentos e recursos. Se um dos seus objetivos é melhorar a sua vida financeira, observe quais são as suas forças pessoais e talentos e como você pode utilizá-los a seu favor. Se você possui uma força de liderança, mobilize as demais pessoas da sua família a se engajarem nesse objetivo com você; se você é bom em planilhas Excel, elabore um bom registro de gastos, com o qual você possa se divertir enquanto preenche e controla suas despesas. Mas se você não gosta de planilhas e é bom em relacionamentos pessoais, você pode fazer, por exemplo uma organização simples de seus gastos e receitas e invista em outras fontes de renda vendendo produtos de catálogo, por exemplo. Se você, por outro lado, tem habilidade em aprender, utilize seu amor ao aprendizado para se informar ao máximo sobre finanças pessoais. Veja no que você é bom e use isso ao seu favor.
  3. Seja bastante específico ao definir suas metas. Se você quer emagrecer, de quantos quilos você quer se livrar, e em quanto tempo? Quer só perder gordura ou quer substitui-la por massa muscular? Se você quer aumentar sua renda, qual é o valor exato que você quer passar a ganhar? E quando você quer começar a ganhar esse valor? E como será isso, conseguindo uma promoção no trabalho ou por meio de uma segunda fonte de renda?
  4. Suas metas devem ser desafiadoras, mas alcançáveis. Objetivos audaciosos demais irão te desmotivar. Pequenas conquistas, mas consistentes, aumentam o sentimento de autoeficácia e, com isso, a motivação em prosseguir.
  5. Aprenda com os erros e antecipe obstáculos. Lembre-se da lista de resoluções do ano passado (provavelmente será muito parecida com a deste ano) e observe o que foi que não deu certo. O que você aprendeu com essas experiências? Se você se matriculou em uma academia e nem turismo você fez por lá, o que você pode tirar de aprendizado dessa experiência? Como você pode enfrentar os obstáculos que surgirão? O que você pode fazer de diferente para que dê certo em uma próxima vez? Matricular-se em uma academia mais próxima do trabalho? Priorizar atividades coletivas em que você possa estar rodeado de pessoas que te ajudem a se sentir motivado? Transforme culpa em aprendizado.
  6. Comemore e reforce os seus acertos. Com certeza este foi um ano em que muitas coisas boas aconteceram em sua vida. Seja grato a tudo de bom que aconteceu, observe como você foi capaz de realizar muitas coisas e perceba como você se comportou nessas situações de sucesso. O que você fez? Qual foi o seu pensamento enquanto se engajava nas ações? Como você mobilizou os recursos que tinha? Aproveite as festas de final de ano para celebrar com seus amigos e familiares as suas conquistas e se permita se sentir muito feliz com isso.
  7. Seja otimista. As pessoas otimistas possuem uma forma de ver e explicar o mundo que lhes permitem interpretar as adversidades e os problemas por meio de filtros positivos, o que promove: aumento de habilidades de resolução de problemas e de controle do estresse, redução da ansiedade e da depressão, aumento da resiliência e da adaptabilidade, melhora da saúde física e mental, além de ampliar o foco, a persistência e a capacidade de atingir objetivos. Se você é pessimista, não use isso como desculpa. O otimismo pode ser aprendido. Transforme as suas crenças pessimistas em crenças em suas potencialidades e capacidade de enfrentar desafios.
  8. Trabalhe todos os dias em seus objetivo principal. Depois de priorizar o que é importante, de definir uma meta específica e desafiadora, faça um plano de ação e invista tempo nele todos os dias. O alcance de nossos objetivos envolve comprometimento e engajamento. É preciso investir energia física e cognitiva diariamente. Esforço e dedicação fazem parte do processo de mudança. Mas ao final, a recompensa vale a pena. Se você deseja modificar um hábito, você pode transformá-los em mini-hábitos e praticá-los todos os dias. Assista aqui um vídeo ilustrativo sobre os mini-hábitos produzido pelo canal IlustradaMente.

Aproveite a energia e a expectativa positivas que acompanham a chegada de um novo ano e utilize isso como um motor para mudanças de comportamento que lhe façam mais feliz e realizado.

Feliz 2019! 🙂


  1. As resoluções de Ano Novo já ficaram para trás e o Carnaval também…. que férias longas essas suas!

    Quando seremos brindados com uma mova inspiração?

    Aguardamos ansiosamente.

    Grande abraço.

    Bons dias! Para todos nós.

    Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s